infantolatria no pastoraldamulherbh

Foto: pastoraldamulherbh.blogspot.com.br

A chegada de uma criança em uma casa é algo maravilhoso, é a formação de uma família. Entretanto, essa criança não deve comandar a dinâmica familiar, não deve decidir, por exemplo, quais programas e músicas a família deve assistir e ouvir, quando isso acontecer e a criança tiver mais de dois anos de idade, deve-se acender um sinal de alerta. Em uma família com relacionamento saudável, o filho entra e tem que ser adaptado à dinâmica da casa, à rotina dos adultos, claro que respeitando todas as fases e necessidades do bebê.

Os pais confundem amor com ausência completa de limites e regras, e criam filhos que podem e mandam em tudo. Crianças que podem tudo se sentem inseguras, porque, ao mandarem na casa, tornam-se pais de seus pais, sem nenhuma condição emocional e maturidade para tanto. Criança precisa de “não” e de limites claros e precisos, para ir elaborando, amadurecendo.

A infantolatria ganha espaço quando os pais não sabem ou não conseguem fazer essa adequação da criança à realidade que a cerca e a mantêm no centro das atenções por tempo indefinido. Temos que ter um meio termo, buscar equilíbrio. Mas o que mais preocupa, é que esses pais e mães não têm ideia do quanto suas atitudes ou a falta delas prejudicam seus filhos, com consequências para a vida toda. Prejudicam a capacidade de socialização, de maturidade, de interação, de terem amigos ou de serem amigos.

Se o filho fica no nível dos pais, acaba criando para si uma falsa sensação de poder e autonomia que, em um momento mais adiante, se traduzirá em uma profunda insegurança e amargor. Ele sentirá a falta de uma referência forte de segurança de um adulto em sua formação. Ao chegar à idade adulta, esse filho cobrará dos pais, muitas vezes já será tarde demais. Ele olhará ao redor e verá outras pessoas se realizando independentemente dele. A criança que acha que o mundo tem que parar para ela passar não consegue imaginar isso acontecendo e não está preparada para lidar com a mínima das frustrações. Em algum ponto, acusará os pais de terem sido omissos.

Muitas vezes, os pais não se dão conta de que estão tratando os filhos como reis ou rainhas, então precisam levar uns chacoalhões da realidade fora de suas casas. Eles geralmente caem em si quando começa a socialização. A escola reclama porque o aluno não respeita as regras, chora muito, faz birra por tudo, a criança tem dificuldade para fazer amiguinhos porque as outras, com autoestima positiva, não querem ficar perto de alguém que ache que manda em todos.

Quando buscam orientação na escola, é comum se queixarem do comportamento do filho, sem considerarem que foram eles, pais, que o colocaram nesta posição, que permitiram esta situação. Neste contexto, o filho não é o problema. É o sintoma de uma disfunção familiar, da falta de rotina, da falta de limites e regras claras. A criança tem que aprender a se frustrar, saber dividir o que é seu, dar a vez para alguém, viver em uma realidade coletiva, esperar o quanto for necessário para ter o que quer, dessa maneira irá amadurecer de forma saudável. Vai aprender que a vontade dos outros também existe e deve ser respeitada. Com muito amor, carinho, educação, limites e regras logo estará adaptada ao mundo, socializada, pronta para viver, usando seu poder de forma cooperativa.

Em nome do amor, pais e familiares não sabem que estão dando muito mais poder do que a criança necessita para se tornar um ser humano saudável. Poder, esse que será voltado contra ela no futuro próximo. Nunca é tarde para voltar atrás e dar um novo direcionamento para esta difícil tarefa de educar.

Ana Melissa Mangueira Vieira Pereira

Diretora Educacional do Colégio Dom Quintino

Fundadora do InstaBlog @educadicas com dicas educativas para pais, mães e educadores em geral

Image and video hosting by TinyPic